celso adolfo

compositor/violonista

Foto: Eduardo Gontijo

“Celso Adolfo ganha Prêmio "Flávio Henrique", do BDMG Cultural,
com "Remanso de Rio Largo"

À sombra de Guimarães Rosa, o cantor e compositor Celso Adolfo venceu a 3a edição do Prêmio Flávio Henrique, concedido pelo BDMG Cultural, de Belo Horizonte, MG, pelo álbum “Remanso do Rio Largo”, inspirado no contos do livro “Sagarana”.

Dedicado a valorizar trabalhos autorais de canção brasileira e de produção independente, de cantoras e cantores mineiros, o Prêmio Flávio Henrique teve 13 trabalhos de canção inscritos e avaliação da cantora e compositora Déa Trancoso, do cantor e compositor Sérgio Santos e do jornalista João Paulo Cunha.

O músico começou a compor o trabalho em 2012, por ocasião da inauguração do Museu Sagarana, em Itaguara (MG), criado para homenagear  João Guimarães Rosa. Após sete anos, em abril de 2019, Celso Adolfo lançou “Remanso de Rio Largo”, com uma pequena tiragem viabilizada por leis de incentivo à cultura. O álbum foi produzido por compositor em parceria com Robertinho Brant e conta com a participação nos vocais de Leo Minax, músico mineiro radicado na Espanha.

Ouça no Spotify, teclando AQUI

A comissão de seleção comenta o Remanso de Rio Largo, de Celso Adolfo:

Déa Trancoso

Remanso de Rio Largo também poderia se chamar Dentro da Barriga de Minas Gerais, e, se lemos o texto corrido, veremos uma crônica única que narra o espírito flutuante das montanhas, os sertõezinhos móveis e impalpáveis que moram dentro do grande sertão, as veredinhas teimosas que insistem em ser o coração brasileiro. Celso lê os eus de um Brasil profundo e oriental como Béla Bartók lia a Hungria escondida nas vozes de suas matas. Vozes que só se dão a ver a determinados e raros vedores. Eu me lembrei de Paulo Mendes Campos e sua excelência quase musical em manejar as palavras. Eu me lembrei de Gilles Deleuze que sonhou reunir num só platô literatura, música e filosofia. Eis, pois. Eis Celso Adolfo, senhoras e senhores, a faquinha quicé que articula o sonho.

João Paulo Cunha

Com Remanso do Rio Largo Celso Adolfo compôs uma das trilhas possíveis da cultura mineira, que parte das histórias ou estórias de Guimarães Rosa reunidas em Sagarana, e deságua no rio que vai ganhando afluentes pelo caminho: a música, a poesia, pessoas reais e inventadas. A terceira margem. As 16 canções do álbum guardam referências diretas a versos recolhidos pelo escritor de Cordisburgo, espalhadas em seus contos como uma voz mítica que habita o mundo desde sempre. Celso Adolfo, com sofisticada artesania lírica e um ouvido rítmico impecável, transforma tudo em canção. Melodias que evocam as raízes populares, com um sopro do requintado barroco de seu violão quase viola, quase orquestra, se casam com graça com as palavras. O compositor reconta integralmente algumas histórias de Rosa com seu jeito próprio, destaca detalhes encantados de outras criações de Sagarana e, para completar, inventa personagens para habitar sua fantasia particular. O resultado é um disco que tangencia o maravilhoso.

Sérgio Santos

O CD Remanso do Rio Largo, de Celso Adolfo, é uma visita calorosa e imensamente criativa a Sagarana de João Guimarães Rosa. Penso cá comigo que se o Rosa recebesse a visita que há no disco, certamente receberia Celso com um café forte, e levaria à mesa aquele queijo do Serro que só se fatia em ocasiões especiais. Digo isso porque essa visita não é daquelas formalidades que beiram a obrigação. Ao contrário, é uma visita plena de intimidade, de prosa com sustança, dessas que não vê o tempo rolar. Visita de mineiro! Celso soube conjugar música e palavra com a maestria que vem dessa intimidade do café na mesa, que faz tempo ele alimenta com o universo mágico roseano. A sonoridade, a poética e a verve composicional estão fincadas na tradição, mas a renova pela originalidade, pela linguagem própria que Celso adquiriu com a árdua lida no ofício da canção. Celso Adolfo é um orgulho para Minas Gerais! Um expoente ímpar de sua geração!

Leiam AQUI a íntegra do release do BDMG Cultural. 

CELSO ADOLFO

Mineiro de São Domingos do Prata, o violonista e compositor Celso Adolfo estreou em 1983 com o LP CORAÇÃO BRASILEIRO, produzido por Milton Nascimento. Em 2019 chega ao nono disco de carreira, lançando o cd REMANSO DE RIO LARGO.

“Remanso de rio largo” é verso da última estrofe de uma canção que o personagem Siruiz cantou no meio do bando do Hermógenes e que está no Grande Sertão: Veredas. Virando nome deste cd, REMANSO DE RIO LARGO tem 16 músicas inspiradas no livro “Sagarana”. Histórias que saíram dos povoados interioranos entraram no livro pelas mãos de Guimarães Rosa. Neste cd, as histórias saem das páginas escritas e voltam ao mundo na forma de música.

Celso Adolfo começou a compor este trabalho em abril de 2012, por ocasião da inauguração do Museu Sagarana, em Itaguara (MG), que foi criado para ressaltar e proteger a memória do Guimarães Rosa, cujas carreiras de médico e de escritor tomaram forma nos dois primeiros anos da década de 1930 naquela localidade.

Exatos sete anos depois, em abril de 2019 a chegada da tiragem (única) de 3 mil exemplares fechou o ciclo deste trabalho.

A ideia inicial era recontar os contos do livro, mas isso se restringiu às novelas Corpo fechado, Duelo e Sarapalha. Ao reconta-las, o compositor manteve íntegros os seus assuntos e personagens, incorporando citações do livro ao que compunha.

Por ser mineiro interiorano e pratense (gentílico de quem é de São Domingos do Prata), o compositor criou canções que guardam relação com os ambientes do livro, mas que não são histórias contadas ali. Fraseou a seu modo, mas deixando claro o quanto as almas interioranas pratianas e sagaranas guardam parentescos, mesmo vivendo distantes entre si nas muitas Minas que há.

Ao separar as quadrinhas ao longo do livro, Celso Adolfo formou novos conjuntos para os quais criou melodias, tornando-os composições independentes.

"Celso Adolfo tem o poder de unir o talento e sofisticação da melhor música elaborada com a tradição do cancioneiro de Minas Gerais"
Afonso Borges
Sempre um Papo

Foto: Eduardo Gontijo

biografia

2019 REMANSO DE RIO LARGO – Produzido por Robertinho Brant e Celso Adolfo [Participação de Leo Minax nos vocais]

2011 ESTRADA REAL DE VILLA RICA – Produzido por Celso Adolfo
2006 VOZ, VIOLÃO E ALGUMAS DOBRAS – Produzido por Celso Adolfo [Participação de Samuel Rosa]
2003 O TEMPO – Produzido por Celso Adolfo [Participação de Leo Minax]
1998 “FESTA DO PADROEIRO” – Produzido por Celso Adolfo
1995 “BRASIL, NOME DE VEGETAL” – Produzido por Mazzola [Participações: João Bosco, Milton Nascimento, Aquarela Carioca e Roupa Nova]
1990 “ANJO TORTO” – Produzido por André Dequech
1988 “FELIZ” – Produzido por Túlio Mourão
1983 “CORAÇÃO BRASILEIRO”- Produzido por Milton Nascimento

trajetória

1983 Grava o primeiro LP, Coração brasileiro, produzido por Milton Nascimento.
1991 Inicia viagens regulares para shows nos Estados Unidos e Europa.
1992 TEATRO DE BONECOS-GIRAMUNDO – Trilha para a peça Tiradentes, uma história de títeres e marionetes.
1997 PRÊMIO – Canta Brazil Award-New York.
1999 TURNE NA ITÁLIA – Região Trentina.
1999 PROJETOS ESPECIAIS – “Café com leite” – SESCPOMPÉIA – SP.
1999 TURNÊ MINEIRA – Promoção Fiemg – 12 shows em Minas Gerais.
1990 Show MÚSICA BRASILEIRO ANTIGA-1917/1927 DO SAMBA AO CARNAVAL DE 1920
1999 SEMPRE UM PAPO – MÚSICA AUTORAL – 15 cidades do interior mineiro.
2000 DINAMARCA – Oficinas sobre o samba na Rythmic Music Conservatory e shows pelo país.
2004 ESPECIAL PARA A TV SENADO – BRASÍLIA
2005 ARGENTINA – Show em Buenos Aires no Centro Cultural Jorge Luis Borges.
2006 MÚSICA NO CIRCUITO ESTRADA REAL – Promoção da UFMG e FIEMG.
2006 PROJETO PIXINGUINHA – Rio, Roraima, Amazônia, Pará e Maranhão.
2007 TRILHAS DA CULTURA (Minas e São Paulo).
2008 – ESPECIAL TV CULTURA São Paulo – Com Pasquale Cipro Neto.
2009 GALÍCIA (ESPANHA) Participação no CD de Carlos Nunez.
2009 ARGENTINA – Representante de Belo Horizonte no XIV Cumbre de Mercociudades.
2010 Fazendas do Ouro de Minas- 07 shows do CD ESTRADA REAL DE VILLA RICA.
2010 CEARÁ – Shows no Centro Cultural do Banco do Nordeste – Fortaleza.
2012 Show aberto na inauguração do MUSA-Museu Sagarana – Itaguara/MG, homenagem a Guimarães Rosa.
2012 MÚSICA PARA SAGARANA – Memorial Vale – Circuito Cultural Praça da Liberdade – Belo Horizonte.
2013 SEGUNDA MUSICAL – Teatro da Assembleia – BH
2013 PALESTRA E SHOW NO FESTIVAL DE LITERATURA DE ARAXÁ – Curadoria de Humberto Werneck .
2013 MODINHAS E LUNDUS MINEIROS – BH e São Domingos do Prata.
2014 CELSO ADOLFO COLET NEA – Show no Teatro Oscar Ferreira-Belo Horizonte.
2014 BAHIA – TURNÊ DO SERTÃO.
2014 MÚSICA PARA SAGARANA – Sempre um papo – Contagem, Betim Belo Horizonte.
2016 PALÁCIO DAS ARTES – BH- INVERNOS DAS ARTES- MÚSICA PARA SAGARANA.
2016 SHOW EM CORDISBURGO, NAS COMEMORAÇÕES DO CINQUENTNÁRIO DE MORTE DE GUIMARÃES ROSA.

"Celso Adolfo tem o poder de unir o talento e sofisticação da melhor música elaborada com a tradição do cancioneiro de Minas Gerais"
Afonso Borges
Sempre um Papo

Foto: Eduardo Gontijo

agenda

25/08/19 Quinta, 20h, no bairro Luxemburgo – Belo Horizonte
18/07/19 Show em BH
19/07/19 Show de lançamento do novo trabalho nesta sexta-feira (19), às 19h30, durante o projeto Sempre um Papo

Instagram has returned invalid data.

Foto: Fernando Rabelo

entre em contato